Fontes renováveis é um dos segmentos de infraestrutura mais resilientes aos impactos da pandemia

As fontes renováveis estão entre os segmentos de infraestrutura mais resilientes aos impactos da pandemia de COVID-19, aponta relatório da gestora de investimentos britânica Foresight Group. De acordo coma a análise, isso se deve à capacidade de projetos de energia limpa assegurar financiamentos e aos esforços de governos para expandir a economia verde.

O relatório, que examinou 23 segmentos, mostrou que, enquanto a infraestrutura se mostrou uma classe de ativo altamente resiliente, houve diferenças substanciais no desempenho de diversas indústrias. Enquanto o investimento global em renováveis deverá cair 10% em 2020, em razão da pandemia, o efeito nas usinas de geração solar centralizada deverá ser bem menor, graças ao declínio dos custos.


Impulsionado por uma série de acordos de financiamento, o segmento de grandes usinas fotovoltaicas no Reino Unidos registrou 2.6 GW adicionados no primeiro semestre, próximo aos 2.9 GW instalados no mesmo período de 2019.


O Foresight Group também destaca que, com os governos pressionados para garantir uma recuperação ambientalmente sustentável da pandemia, o setor de renováveis também se beneficia em termos de resiliência política e regulatória. Em maio, um estudo da União Europeia apresentou a energia solar e eólica como um dos pilares de recuperação do bloco.


O relatório assinalou que, enquanto as usinas de geração fotovoltaica melhoraram sua resiliência de custos durante a crise, a geração por carvão foi atingida por altas de preços e baixa demanda, o que resultou no Reino Unido ficando dois meses sem esse tipo de energia em 2020.


Levando em conta que a ocorrência de futuras pandemias é imprevisível, a diversificação por parte dos investidores em um leque amplo de segmentos de infraestrutura será importante para mitigar riscos e limitar impactos adversos, alerta a análise.


A Foresight Group gerencia cerca de 150 usinas fotovoltaicas e possui mais de 1.4 GW de ativos de geração solar ao redor do mundo. Recentemente, a companhia anunciou a formação de uma joint-venture com a Elgin Energy para desenvolver um portfólio de 200 MW em projetos de energia solar no Reino Unido.